Plastbase - Máquinas e Equipamentos para Plásticos
       Promoção e Feira
        Feiplastic2017
        Reportagem Feiplastic
        Feiplastic 2015
        Promocao do mes
       Máquinas e Equipamentos
        Alimentador Autom AL-300
        Alimentador trifásico AL-800
        Alimentador Autom AL-300Euro
        Alimentador Autom AL-700Euro
        Alimentador Pneumatico
        Grade Magnetica - Imã
        Moinho Baixa Rotacao e média
        Secadores de 12 a 1500 kg
        Termorregulador de moldes
        Torre de Resfriamento
        Unidade de Agua Gelada
        Valvula Proporcional
       Peça de Reposição e Serviço
        Eletrônica Inj Sanshun e outras
        Hidraulica Inj Sanshun e outras
        Resistencias de aquecimento
        Lubrificacao - pcs. reposicao
        Equalizacao, paralelismo fech.
        Treinamento in company
       Máquinas usadas
        Injetora usada Jasot
        Injetoras usadas Oriente
        Inj. usada Battenfeld
        Injetora Sound FT-160t 2008
        Injetora usada Pavan Zanetti
        Injetora usada Romi
        Moinho usado Seibt 10/300
       Outras informações
        Financiamento Plastbase
        Mapa - como chegar
        Trabalhe conosco - Vagas
       Plastbase Notícias
      Contato

Máquinas e Equipamentos

 

Torre de Resfriamento

 

 
Centrais de bombeamento Grandes instalações Torres pequeno porte
 
 
Aplicação em injetoras
  

TORRES DE FORMATO REDONDO
 
Caracterizadas pelo formato cilíndrico, conforme a mais recente tendência mundial, aprovada e largamente utilizada nos EUA, EUROPA e JAPÃO, nossas Torres se destacam por apresentarem ótima distribuição de ar, exclusivo distribuidor de água rotativo e venezianas à prova de respingos, fatores que contribuem para um menor consumo de energia e ótimo rendimento térmico.
Corpo: O formato cilíndrico garante ótima distribuição de ar interno oferecendo baixa resistência à sua passagem, resultando menor consumo de energia.
Ventilador: Tipo axial, acoplado diretamente ao motor, forma um conjunto simples, robusto e de fácil manutenção. Pás em polipropileno ou PRFV, perfil aerodinâmico tipo “air foil” garantem bom rendimento, melhoram o nível de ruído e reduzem o consumo de energia.
Distribuidor de Água: Tipo rotativo construído em materiais não corrosivos (alumínio ou plástico). Não havendo necessidade de pulverização de água, requer baixíssima pressão para acionamento, reduzindo também a potência da bomba hidráulica.
Tubulações Internas: Tubos de polipropileno com conexões soldadas por fusão (exelente estabilidade dimensional e grande durabilidade).
Enchimento: Em formato de grades montadas de modo a comporem elementos de grande resistência mecânica, permite fácil manuseio e limpeza sem destruição do elemento, prolongando assim sua vida útil. Material polipropileno injetado.
Componentes Metálicos: Executados em aço-carbono com galvanização a fogo que garantem ótima proteção contra corrosão. Parafusos em aço inoxidável ou nylon.

      

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES
 
1. Por que as Torres redondas são mais eficientes e fáceis de instalar?
• Menor ação de ventos, bases menores, menor carga estática;
• A distribuição do ar é mais uniforme;
• Entrada de ar em todo perímetro;
• Menor nível de ruído;
• Manutenção muito fácil.

2. Por que as Torres redondas não precisam de porta de inspeção?
O acesso aos componentes se dá pelo próprio ventilador e como não há eliminador de gotas, fica fácil o acesso ao enchimento e sistema de distribuição de água.

3. Qual o limite de temperatura da entrada de água na Torre?
Para os equipamentos padrões entre 55ºC e 65ºC, os tubos internos de polipropileno e demais componentes permitem que o equipamento trabalhe nessas condições.

4. A qual temperatura de água fria a torre consegue resfriar?
Teoricamente até a temperatura de bulbo úmido local. Economicamente utiliza-se de 4ºC à 5ºC acima da temperatura de bulbo úmido do local.
Para São Paulo, Belo Horizonte, Campinas, por exemplo, 29ºC à 30ºC são temperaturas de trabalho.

5. O que é temperatura de bulbo úmido?
Relaciona umidade relativa e temperatura de bulbo seco em condições extremas de verão. Por exemplo:
• São Paulo: 24ºC
• Rio de Janeiro: 26,5ºC
• Salvador: 26,5ºC
• Curitiba: 23ºC
• Porto Alegre: 26ºC
• Joinville, Florianópolis: 26ºC
• Manaus: 29ºC
Dados ABTN – NB-10

6. Qual a perda de água de uma Torre?
As perdas de água em uma torre de resfriamento são pequenas e não superam, via de regra, 2% da vazão da água em circulação, supondo diferenciais térmicos e condições climáticas normais. O percentual inclui as perdas da evaporação, do arrastamento de gotas finíssimas pelo ventilador e, ainda, da purga de desconcentração. As perdas de água pelo arrastamento e da purga de desconcentração devem ser consideradas juntas, pois ambas não contribuem para o aumento da dureza da água em circulação.

7. O que é melhor utilizar: uma ou mais Torres em um único sistema?

Depende muito da circunstancia de uso.
• Em grandes vazões é comum a divisão em unidades;
• Outro fator determinante é quanto à utilização e a eventual impossibilidade deparada da instalação;
• Duas torres de capacidade menor têm o preço em torno de 10% a 20% comparada a uma única com capacidade total.

8. A Torre pode ser instalada internamente?
O ideal é instalar externamente! É imprescindível que o ar saturado que sai da Torre seja descarregado para o exterior. Caso isto não ocorra, como em ambientes fechados, o ar saturado vai recircular na Torre e não terá mais capacidade de absorver umidade.

9. Em local onde a temperatura do ar pode chegar à 37ºC posso ter água fria abaixo de 30ºC?
Sim. O processo de resfriamento é evaporativo. Quanto mais baixa a umidade relativa do ar, menor é a temperatura de água que se consegue na saída da Torre.

10. É necessário cobrir a Torre para protegê-la do sol e da chuva?
Não. A Torre deve trabalhar descoberta para evitar que o ar saturado recicle na Torre.

 
 
 

Novo endereço:
Rua Guerino Furlan, 270 – S. Antonio
Saída 71 da Rod. Anhanguera
Louveira - SP - CEP 13290-000
Novo Tel: (19) 3848-1630